Promotor afirma que não há nada certo e que escola deve continuar as atividades normalmente em São Miguel

'Estou aqui sensível, a essa reivindicação de você e essa história bonita, fico mais tranquilo ainda em saber que tem muita chance né' - disse.

Por redação | Portal AlagoasNT.com.br 06/02/2018 - 23:06 hs
Foto: Emerson Tiago/AlagoasNT


Na manhã desta terça-feira (6), aconteceu uma reunião liderada pelo Promotor de Justiça de São Miguel dos Campos, Rogério Paranhos, com a diretora da Escola José Nogueira Mendes, acerca da discussão da provável ida da unidade do Instituto Federal de Alagoas – IFAL, para o prédio onde hoje a escola funciona.

 

Estiveram presentes na reunião também, os vereadores Jalmir Santos, Alfredo Moura, Bel Correia, O vice presidente do Sinteal Valdir além de alguns pais e alunos, que levaram faixas com dizeres que reivindicavam o direito das crianças poderem estudar.

 

O Promotor como bom anfitrião agradeceu a presença de todos, e demonstrou compreensão acerca da situação em sua breve fala de abertura.

 

Em seguida pediu para que a diretora da escola, identificada como Ana Cristina, contar a versão sobre como a abordagem dos fatos ocorreram.

 

 

As visitas do pessoal do IFAL (a escola) foram ficando cada vez mais frequentes, na primeira vez eles foram juntos com a secretaria de Educação, Eluza, e já na terceira o prefeito Pedoca Jatobá também foi junto.” – esclareceu.

 

A diretora contou que o posionamento tanto dela como dos pais dos alunos, é requerendo o direito para a permanência das crianças na escola, que se localiza no bairro Canto da Saudade, e atende muitos estudantes das redondezas, como do José Calazans, e da ladeira da ‘Rua do Cemitério’.

 

Em certo momento, Ana se emocionou ao falar que o trabalho da escola era muito além do ensino, focado também no acolhimento já que a maioria dos alunos são de condições financeiras menos favorecidas.

 

Se essa mudança ocorrer vai acontecer um esfacelamento tanto dos professores que serão deslocados para outras escolas, como dos alunos, e essa relação que foi construída com tanto amor, carinho e dedicação será desfeita” - posicionou-se o vereador, Alfredo Moura.

 

Uma mãe de uma aluna especial, e com outros filhos na instituição criticou o prefeito Pedoca, classificando a atitude da transferência como ‘desnecessária’ já que na parte alta da cidade existe a construção do prédio do IFAL, que até hoje não foi concluída.

 

 

Uma aluna identificada por Ana também emocionou o promotor ao falar que cursa na escola:

 

 

Eu estudei lá desde criança, por problema de saúde tive que parar, parei no Mário e a única que teve de recomeçar foi no José Nogueira, renovei minha matricula, o ano passado, passei graças a Deus, e assim, eu fiquei muito triste por que é a casa de todos nós né lá, é a nossa casa e fazemos nosso curso do Pronatec, lá, e o José nogueira abril as portas, pra gente lá por que a gente não tinha onde fazer o curso, então a gente pede com muito carinho que o senhor venha compreender agente, e que não nos abandone, e fique do nosso lado, eu tenho certeza que como o senhor, tem a sua sã consciência ira nos compreender”, Concluiu.

 

O promotor Rogerio, afirmou em suas palavras que está do lado dos alunos e se depender dele deve continuar como está, segundo o mesmo o IFAL tem mais teria mais três alternativas, entre uma delas está construção de um espaço escola que depois serviria para uma faculdade. E ainda afirmou que já haveria um empresário que bancaria tudo.

 

 

De acordo com Rogerio, tanto a secretaria de educação quanto o IFAL não tem nada decidido, segundo o mesmo, a prefeitura afirmou que quando tiver algo comunicara escola, o promotor foi mais longe e disse que não quer que comunique, quero que ouça a todos.

 

Pediu para seguir normalmente a matricula e afirmou que era o ‘advogado do povo’ e que lutaria ao lado de todos.

 

“Estou aqui sensível, a essa reinvindicação de você e está história bonita, fico mais tranquilo ainda em saber que tem muita chance né” disse.

 

“Mas minha orientação a eles foi que ouça vocês, não foi comunicar tá” ele ainda pediu que não haja brigas ou rancor e lembrou uma frase de Mahatma Gandhi, “Não há caminho para a paz, a paz é o caminho, de luta de reivindicação de seriedade e de nosso direitos, mas não precisa de ofensas nem xingamentos...

 

A situação mais ilaria foi dpois da reunião com o promotor o Instituto Federal de Alagoas – IFAL, ter enviado duas pessoas até a escola para avaliar as medidas e com todos lá.