Ganso é suspenso por nove jogos por conta de expulsão contra o Fla

Foto: LUCAS MERÇON/FLUMINENSE F


A atual temporada mal acabou, mas o Fluminense já terá um desfalque confirmado para o início do Campeonato Carioca de 2020. Nesta segunda-feira, Paulo Henrique Ganso foi denunciado pelo TJD-RJ, punido duas vezes no artigo-258, não sendo enquadrado no artigo-254 - que poderia suspendê-lo por até 180 dias - e condenado a cumprir nove jogos de suspensão por conta da sua expulsão contra o Flamengo, na semifinal da Taça Rio. Quem liderou o Tricolor, que foi multado por outros casos, foi o advogado Carlos Portinho.

 

Como o Fluminense foi eliminado no Campeonato Carioca, Ganso vai cumprir a pena apenas no torneio do ano que vem. Portanto, o meio-campista está liberado para as partidas na Copa do Brasil e Copa Sul-Americana.

 

Ganso foi incurso no artigo 258 por conta da expulsão contra o Flamengo, na semifinal da Taça Rio. Na ocasião, o atleta foi expulso por reclamação e, após receber o vermelho, deu um tapa na mão do auxiliar, tentando se afastar. Ele cumpriu uma suspensão automática na semifinal do torneio, diante do próprio Rubro-Negro, mas não escapou da pena para o ano que vem.

 

Durante a sessão, Ganso, em legítima defesa, tentou se defender. O meia afirmou que não empurrou nenhum membro da comissão de arbitragem e disse que a atitude tomada dentro de campo foi um "desabafo", por conta do calor da partida. Além disso, o atleta confirmou que proferiu uma frase ríspida ao auxiliar técnico. No fim, a honestidade foi favorável ao atleta, já que os advogados presentes elogiaram a postura do jogador.

 

"Primeira vez que participo de algo como isso, em toda a minha carreira nunca participei de um tumulto. Nunca fui denunciado. No momento em que ele coloca a mão no peito, eu apenas afasto o braço dele. Pode ter parecido agressivo, mas não foi isso que acabei fazendo. Fui indisciplinado, é uma coisa feia, até porque sou exemplo para muitas crianças", afirmou.


Outros casos

 

Além de Ganso, o Fluminense também levou algumas multas nesta segunda-feira. André Carvalho, preparador de goleiros, foi suspenso por um jogo e com uma advertência por ter sido denunciado por reclamar do gol anulado pelo VAR na semifinal e jogar uma garrafa de água no chão. A pena máxima, no caso, era de seis partidas.

 

O clube das Laranjeiras também teve prejuízos financeiros. Primeiro, levou uma multa de R$ 2 mil por conta do atraso dos gandulas na reposição de bola na partida contra o Flamengo, na semifinal da Taça Rio. Por fim, o Tricolor foi multado em R$ 13 mil - assim como o Rubro-Negro - pela confusão generalizada entre os jogadores da equipe ao fim do jogo.