Sindpol pede que imprensa não se intimide após ataque de Renan Filho

Declaração se deu depois que o governador agrediu verbalmente jornalista durante entrevista coletiva nessa segunda-feira (5)

Foto: Divulgação


O presidente do Sindicato dos Policiais Civis de Alagoas (Sindpol), Ricardo Nazário, pediu para que a imprensa não se intimide perante os ataques do governador Renan Filho. Ele afirmou que o sindicato continuará denunciando as irregularidades do governo.

 

"O Sindpol vai continuar denunciando a realidade da Segurança Pública. O ataque ao jornalista não intimida o Sindpol e espero que as mídias não se intimidem. Nós estamos querendo um estado seguro de verdade. Sou pai, tenho filhos, minha família", reforçou Ricardo Nazário.

 

Nazário ainda afirmou que muitos crimes em Alagoas ficam engavetados, sem resolução, porque não possuem repercussão e poder de marketing para o governo.

 

"Os crimes de homicídios ocorridos em Alagoas só são esclarecidos porque faz parte de uma estratégia de marketing do Governo do Estado. Crimes de feminicídio, estupro e outros que não possuem repercussão estão abarrotados nas delegacias. Mais de dez mil inquéritos parados. Quem está mentindo é o governador Renan Filho, que não quer mostrar a verdade para a sociedade. Ele [Renan Filho] está fazendo marketing para mostrar para os demais estados", afirmou Ricardo Nazário.

 

 

REPERCUSSÃO

 

A coletiva de imprensa sobre os dados da Secretária de Segurança Pública de Alagoas, na manhã dessa segunda-feira (5), ficou marcada pelo ataque que o governador Renan Filho desferiu contra o jornalista com mais 40 anos de profissão Arnaldo Ferreira, integrante da Gazeta de Alagoas. Ele levou ao governador questionamentos efetuados pelo Sindicato dos Agentes da Polícia Civil de Alagoas (Sindpol) e publicados pela Gazeta ao longo das últimas semanas, mas, como resposta, obteve de Renan uma sequência de ataques de ordem pessoal.

 

Diante das perguntas, Renan Filho se limitou a dizer que os números apresentados pelo Sindpol não são verdadeiros e que o jornalista premiado e com extensa ficha de trabalho prestado por diversos veículos pelo Brasil - como o Globo, Veja, Istoé, TV Band, SBT, entre outros -, estava "com esporas em sua barriga e rédias na sua cabeça". Apesar dos ataques, Arnaldo seguiu buscando respostas para as denúncias, mas, novamente, foi atacado, tendo o bairro onde reside divulgado pelo governador.