SIMESC apresenta data-base e servidores exigem, no mínimo, de 10% de reajuste ainda em janeiro

Aldo Sobreira afirmou que o PCCV foi criado para unir trabalhadores e sindicato.

Por redação | www.AlagoasNT.com.br 16/01/2020 - 08:55 hs
Foto: Cortesia | www.alagoasnt.com.br


O presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de São Miguel dos Campos – SIMESC, Aldo Sobreira e demais membros da diretoria do Sindicato, estiveram reunidos com o Prefeito Pedoca Jatobá, na manhã do último dia 15, para discutir a data-base 2020 e às diversas reinvindicações apontadas pelos servidores públicos de São Miguel dos Campos, durante assembleias realizadas no final de 2019.

 

Aldo Sobreira afirmou que o PCCV foi criado para unir trabalhadores e sindicato e também para fazer com que, todos os anos, os direitos, garantias e reajustes dos servidores sejam cumpridos, “por isso, em nossa assembleia em dezembro, foi unânime a decisão, diante de tantas perdas durante essa gestão, que seja concedido um reajuste de, no mínimo, 10% para todos servidores contemplados no PCCV municipal”.

 

“Enquanto categoria, servidor e sindicato nós não abrimos mão de defender, de lutar e cobrar do poder público as melhorias dos trabalhadores que fazem o desenvolvimento deste município em prol de toda comunidade miguelense”, afirmou Sobreira.

 

O SIMESC ainda reivindicou, junto ao gestor municipal, adicional noturno para os profissionais da limpeza, bem como fardamento de todos os funcionários; material de Epis; para os garis e funcionários que necessitam mudança no projeto de Lei Nº 1.423 de 18 de agosto de 2015, que se refere ao risco de vida dos guardas municipais que no seu contracheque continua com o nome gratificação e a luta dos colegas é pra ter risco de vida, aquisição para os mesmo de jalecos, pois os que eles usam são particulares e eles cobram que seja do município, os agentes de saúde e os demais funcionários que tem direito ao PMAQ estão insatisfeito pois chega atrasar até 120 dias a onde o poder público tinha prometido que liberaria a cada três meses, decreto de Lei Nº 13.902 de 1º de março de 2016, que fala sobre as áreas correlatas precisa ser corrigida, pois as categorias se sentem prejudicadas com a falta de reconhecimento das suas graduações não serem reconhecidas, o Conselho de enquadramento foi desativado e muitos funcionários que colocaram suas graduações se sentem prejudicado, pois ainda não foram avaliadas, que a prefeitura coloque o seu setor jurídico para ajudar as pessoas que o INSS mandou voltar ao trabalho e as mesmas não tem condições, que possa ajudar a voltar para o INSS isso é uma forma de economia para o poder público.

 

De acordo com o Sindicalista, todos os servidores municipais devem ter reajuste este ano, e o prefeito Pedoca se comprometeu, junto ao secretário de finanças, fechar os números de 2019 e analisar o impacto financeiro para os reajustes em 2020.

 

Sobreira ainda afirmou que a conversa foi proveitosa, porém o prefeito falou das dificuldades e da queda de arrecadação em algumas áreas, o que poderia dificultar um reajuste na medida que os servidores estão solicitando.

 

“Não abriremos mão dos nossos direitos, garantias e do nosso reajuste de 10% visto às perdas dos últimos anos. Vamos garantir que essa discussão seja sanada ainda este mês, mas, não sendo, a concessão do reajuste será com pagamentos retroativos, já que nossa data base é 1º de janeiro de 2020”, concluiu Sobreira.