Nova lei obriga agências bancárias de Alagoas a adotarem medidas de segurança

Medida afeta principalmente o interior do Estado; iniciativa foi do Sindicato dos Bancários

Foto: Emerson Tiago/AlagoasNT


Uma nova lei sancionada nesta semana, de iniciativa do Sindicato dos Bancários de Alagoas, cria obrigações para agências bancárias, cooperativas de crédito e outras instituições financeiras. De acordo com a nova legislação, as agências devem adotar, dentro do prazo de 60 dias, medidas de segurança como guarda-volumes, portas giratórias com detector de metal e um segurança armado.

 

Segundo a lei nº 8.240/20, agências de instituições financeiras devem ter, obrigatoriamente: vigilantes de colete balístico e armados; alarmes interligados à polícia, à agência de segurança ou outra agência financeira próxima; cofre com temporizador; câmeras de segurança; porta com detector de metal; biombos separando caixas e filas; guarda-volumes e adequação de numerário.

 

Postos de atendimento, que são unidades mais simples, só precisam de vigias, alarmes, cofre com temporizador e câmeras. O descumprimento acarreta em multa de R$ 10 mil, valor que será atualizado anualmente pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). 

 

 

Márcio dos Anjos Silva, presidente do Sindicato dos Bancários, defende a medida. "Para os bancos, é um pequeno custo. Para o consumidor e para o bancário, é uma grande diferença", afirma. Ele acredita que a medida pode prevenir crimes, especialmente em agências do interior, normalmente mais precárias em segurança.

 

Ele destaca que a instalação de portas giratórias com detector de metal, por exemplo, é uma medida simples que traz uma enorme segurança para o estabelecimento. A nova lei entra em vigor em 60 dias após a publicação, que ocorreu na última segunda-feira (27).