32 igrejas foram derrubadas por governador socialista do DF

“Eles odeiam as coisas de Deus”, denuncia Magno Malta

Por Edilane Almeida com Gospel Prime 10/11/2017 - 18:06 hs
Foto: Divulgação


Maquinário pesado sendo usado para demolir uma igreja, acusada pelo governo de estar “ilegal”. Os fiéis protestam, alguns choram, outros fazem orações. A cena é muito semelhante ao que acontece com frequência na China, mas nesse caso trata-se do Distrito Federal.

 

O governador Rodrigo Rollemberg, do Partido Socialista do Brasil (PSB), faz jus ao nome da sigla a que pertence e mantém a tradição marxista de se opor à liberdade de culto. O caso mais recente foi a derrubada de uma igreja da Assembleia de Deus, acusada de ter sido construída em área pública, no parque próximo ao Palácio do Jaburu, residência do presidente Michel Temer.

 

O caso acabou envolvendo o deputado Marco Feliciano (PSC/SP) que veio a público condenar a demolição, afirmando que o terreno é propriedade da igreja “há mais de 50 anos” e que considerava a ação “atitude digna de uma ditadura”.

 

Governo do Distrito Federal (GDF) rebateu, através da presidente da Agência de Fiscalização do Distrito Federal (Agefis), afirmando apenas que os “Evangélicos devem respeitar a lei”.

 

O caso da Assembleia de Deus derrubada no mês passado não é isolado. Segundo reportagem da REDETV!, são 32 templos postos no chão pelo GDF sem aviso prévio e sem negociação. Em muitos casos, elas foram pro chão com todo os equipamentos ainda dentro do prédio.

 

A atitude é vista como “intolerância” pelos religiosos. Obviamente, os fiéis foram pegos de surpresa com a truculência em alguns casos com o envolvimento da polícia.

 

Daniel de Castro, advogado da Assembleia de Deus Madureira, faz um alerta: “A partir do momento que começa a patrocinar a derrubada, ela [administração Rollemberg] deixa de fazer justiça e começa a ser justiceira. Em sendo justiceira, está sendo seletiva. Em sendo igrejas eu entendo que está havendo perseguição religiosa. O Congresso Nacional precisa bater o olho pra isso, pois é uma turma que não gosta muito de igreja não”.

 

O senador Magno Malta (PR/ES) também se manifestou sobre as derrubadas: “É perseguição a quem prega valores. Eles odeiam as coisas de Deus. O governador foi senador comigo. Ele é um dos maiores defensores ferrenhos da ideologia de gênero”.

 

O governador não respeitou as liminares que tentavam impedir as demolições. Chegou a fazer uma reunião com os líderes religiosos do Distrito Federal, dizendo que elas iriam parar. Contudo, no dia seguinte mais um templo foi destruído.