Abertura de comporta da hidroelétrica causa alagamentos em Piranhas

Moradores e comerciantes de Piranhas reclamam de prejuízos causados; equipe técnica realizou sobrevoo no local

Por Edilane Almeida com Assessoria 09/01/2018 - 12:48 hs
Foto: Jornal O Expresso


Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf) informou, nesta terça-feira (9), que o aumento do Velho Chico no último fim de semana foi provocado pela abertura espontânea de uma das comportas da Usina Hidrelétrica de Xingó. O sistema estaria semiaberta e rompeu voluntariamente, sem ação humana.

 

"Tão logo detectamos o problema, providenciamos o fechamento de outra turbina", informou o diretor de Operações, João Henrique de Araújo Franklin Neto. "Não houve tempo hábil para informar a população sobre essa operação solicitada pelo ONS [Operador Nacional do Sistema Elétrico]", disse.

 

A explicação foi dada durante reunião promovida pela Agência Nacional de Águas (ANA). O gestor revelou ainda que a equipe técnica da empresa realizou um sobrevoo nesta manhã e constatou que os problemas ficaram restritos aos municípios alagoanos de Piranhas e Pão de Açúcar.

 

De acordo com o diretor da Chesf, a empresa recebeu uma solicitação do ONS na sexta-feira da semana passada para a elevação do nível do reservatório de Itaparica, em Pernambuco, com a entrada em operação de quatro geradores em Paulo Afonso e um outro em Xingó, a fim de suprir a deficiência na geração de energia eólica. 

 

"Às 21h da sexta-feira, foi elevada a geração, com início de operação da segunda turbina", explicou ele, sem revelar para qual patamar foi elevada a vazão do rio. "E à 1h da manhã, reduzimos para a defluência atual, de 550 metros cúbicos por segundo [m3/s]", complementou João Henrique.

 

A elevação provocou estragos em residências e estabelecimentos comerciais próximos ao rio no município de Piranhas. Moradores, comerciantes e turistas foram surpreendidos e, com a elevação, embarcações de pescadores chegaram a afundar.

 

"Foi tudo muito rápido, quando a gente soube que o rio tinha subido, já não encontramos mais o barco que era o nosso ganha-pão. Donos de alguns dos bares estavam preocupados, sem saber o que fazer. O rio levou mesas, cadeiras, estragou geladeira, tudo que tinha na cozinha. E enquanto começaram a limpeza, iam tirando os peixes mortos", lamentou o pescador José Francisco dos Santos.

 

Procissão


Ainda na videoconferência, foi discutido o pedido da Prefeitura de Penedo para elevação, no dia 12, do nível do São Francisco do patamar atual, de 550m3/s, para 1.700m3/s por 24 hora. A justificativa é a realização da Procissão Fluvial em homenagem a Bom Jesus dos Navegantes, evento que já faz parte do calendário oficial do município.

 

O presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF), Anivaldo Miranda, questionou se não haveria um meio termo entre a vazão atual e a solicitada. "O Comitê reconhece que a questão religiosa é importante, assim como todas as outras relacionadas aos usos múltiplos, mas essas questões de conflito pelo uso da água devem ser bem discutidas, a fim de chegarmos ao consenso", considerou.

 

Em virtude das discussões, ficou agendada uma nova reunião entre a Agência Nacional das Águas e os demais entes envolvidos na questão para a próxima quarta-feira (10).

 

Chuvas


Na reunião, também foi apresentado um balanço hidrológico da bacia do São Francisco para os próximos sete dias. De acordo com o coordenador-geral de Operações e Modelagem do Centro Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais (Cemaden), Marcelo Seluchi, a próxima semana será de chuvas abaixo da média.

 

De acordo com o estudo, a previsão é de uma precipitação média de 27 milímetros. Na região da cabeceira do São Francisco, em Minas Gerais, a previsão é de uma vazão afluente de aproximadamente 500 m3, 66% abaixo da média. Um novo encontro para analisar as condições hidrológicas da bacia está marcada para o dia 15.