Morte de cachorros deixa população do Litoral Norte de Maceió preocupada

Segundo Centro de Zoonoses, animais podem estar com uma doença chamada 'Cinomose'.

Por Luciano Ribeiro/Estagiário com Gazetaweb 09/01/2018 - 16:14 hs
Foto: Reprodução


A morte de 16 cachorros na comunidade Boca do Rio, no Litoral Norte de Maceió, tem intrigado e deixado os moradores do local bastante preocupados. Os sintomas são os mesmos: olhos remelados, cegueira, excesso de saliva, falta de apetite e fraqueza. Depois que os sinais são detectados, a morte chega em poucos dias. 

 

Edmilson Manoel dos Santos, de 64 anos, perdeu três bichos recentemente. "Nunca tinha visto uma coisa dessas. Eles começaram a apresentar esses problemas e com três dias morreram. O meu filho chegou a levar um dos cachorros para o veterinário, mas não adiantou nada", lamentou o homem.

 

Morador da região há quase 70 anos, o senhor José Ferreira disse que nunca viu nada parecido acontecer. "Vivo aqui desde quando nasci, mas ninguém jamais viu essas coisas. Pior que fica todo mundo preocupado porque se essa doença está matando cachorro, que é bicho forte, quem dirá o que pode acontecer com a gente, principalmente, as crianças", afirma.

 

O fato tem, realmente, assustado a população. O líder comunitário André Gomes Correia tem acompanhado de perto a situação. "Procurei saber se estava tendo morte de cachorros também em outras comunidades aqui da região, mas em nenhuma delas houve registro. O fato é que algo precisa ser feito. É bom ressaltar que estão morrendo cachorros tanto de rua quanto domésticos. Agora também não morre nenhum outro tipo de bicho, apenas os cães", observa.

 

Na casa da jovem Natália da Conceição, quatro crianças com idades entre três e seis anos convivem com o Spike. O cachorro, cuja raça não é definida, está sofrendo dos mesmos problemas dos demais, que já morreram. Embora a família esteja preocupada, disse que não há muito o que fazer, pois não tem condições de levar o bicho para o veterinário. Enquanto isso, as crianças, do jeito delas, seguem ajudando a cuidar do animalzinho.

 

Uma equipe do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), esteve no local na manhã desta terça-feira (9) para averiguar a situação. De acordo o Gerente de Ações e Controles da Raiva do CCZ, Rael Almeida, a suspeita é de que os animais estejam sendo acometidos por uma doença chamada Cinomose, causada por um vírus. 

 

"Eles podem ser contaminados através do ar ou de secreções. É importante destacar que a doença não ataca nenhum outro animal e nem é prejudicial ao ser humano. Por não ser uma zoonose, nós não podemos dar prosseguimento às investigações, por isso orientamos que os donos dos cachorros que apresentarem algum dos sintomas levem logo ao veterinário. Todos os indícios clínicos são da doença, mas para se ter certeza, é preciso realizar exames que comprovem a suspeita", afirma Almeida.